ROBÔ GIGANTE


REFLEXÕES SOBRE TOKUSATSU E A CULTURA POP JAPONESA by nagado
março 20, 2009, 1:47 pm
Filed under: Nagado, Papo

Hoje em dia, quando se fala em cultura pop japonesa (termo tão na moda), a maioria das pessoas se refere à combinação mangá, animê, games, cosplay e J-Music (basicamente, J-pop, J-Rock e Animesongs). O tokusatsu tem ficado de fora da definição, mas ele sempre foi parte essencial dessa indústria pop. Nos últimos anos, o tokusatsu tem perdido esse espaço porque é, com poucas exceções, associado a programas infantilóides cujo público formador de opinião (e que não seja meramente saudosista) é cada vez menor.

O tokusatsu não precisa ser sinônimo de programa infantil, apesar de ser na maioria das vezes, numa proporção muito maior que o animê. Ressaltando que eu não acho que uma produção violenta automaticamente se torna “adulta” ou mesmo “juvenil”. Por mais que os animês dos Cavaleiros do Zodíaco mostrem litros de sangue jorrando, aquilo jamais será um produto para adultos, exceto os adultos que cresceram gostando da série. Um produto mais adulto, do meu ponto de vista, tem mais a ver com uma visão de mundo mais elaborada. Por exemplo: um grupo de alienígenas numa espaçonave não tem condições de conquistar e controlar um país, muito menos um planeta. Quando se tem 8 anos, dá pra levar isso a sério. Já uma organização secreta que manipula pessoas para atingir seus objetivos, soa mais plausível e permite soluções menos forçadas como “vamos transformar algumas pessoas em abóboras e forçar a humanidade a se ajoelhar perante nosso Imperio, ah ah ah!!!”.

O tokusatsu como o conhecemos nasceu com o primeiro Godzilla (1954) e era um filme-catástrofe, feito para assustar, provocar reflexões e deixar a platéia boquiaberta com cenas espetaculares mesmo em um filme de baixo orçamento. Com a ida do gênero para a TV (onde encontrou seu veículo ideal) e com o passar dos anos, virou praticamente sinônimo de vitrine de merchandising e divulgação de brinquedos. As fábricas de brinquedos, aliás, foram assumindo as rédeas do controle criativo, ditando rumos e obrigando o uso de cada vez mais veículos, robôs e sub-transformações ou formas alternativas de personagens. A história foi ficando em segundo plano em relação aos apetrechos colecionáveis que são mostrados.

Particularmente, e sem correr o risco de ser saudosista demais, gosto de recordar aquelas cenas e episódios de seriados que surpreenderam, que foram além das expectativas e forneceram elementos para serem lembrados por muito tempo. As listas de filmes e séries que andamos soltando aqui, inclusive, valorizam exatamente títulos que se destacaram por seu roteiro, direção e desenvolvimento de personagens. Independente desses personagens darem origem a bonequinhos ou não.

Cabe aos produtores, roteiristas e diretores recuperar o espaço perdido para que o tokusatsu seja lembrado sempre como um dos pilares da cultura pop japonesa.

About these ads

19 Comentários so far
Deixe um comentário

Gostei mesmo desse seu texto Nagado, e concordo inteiramente com você.

Com relação aos teus últimos parágrafos, acho até que realmente tem sido feito alguma coisa a respeito. Me refiro às produções no horário da madrugada, como Sh15uya , Lionman G, Ultraseven X , Cutie Honey e Garo.

Ah sim, e sem querer me meter muito (o assunto não tem nada a ver com essa tua postagem), registro aqui que gostaria muito que você participasse dos comentários dos DVD’s de Jaspion, Changeman , Jiraiya (e tudo mais que aparecer).

Inté!

Comentário por Lagarto

Fala, Lagarto! Eu até pensei em citar essas séries que você mencionou, mas elas são feitas para um público meio restrito e não ganham muita repercussão para o grande público. Por isso mesmo, não mudam a percepção geral da maioria das pessoas.

Eu não tenho nada contra as fábricas de brinquedos, mas antes os brinquedos eram feitos a partir de séries. Hoje, são séries feitas a partir de brinquedos.

Sobre os DVDs, eu fui realmente convidado pelo Ricardo Cruz para participar com comentários nos extras dos DVDs do Jaspion. Mas por total falta de tempo, não pude comparecer à gravação. A vida aqui está muito corrida e não tenho conseguido participar de quase nada fora da rotina. Mais pra frente, quem sabe…

Abraços!!

Comentário por Alexandre Nagado

Opa,

Ja tinha lido esse texto mais cedo, mas não sabia que era seu. Vi no seu e-mail agora, acho que tokusatsu e anime sao considerados a mesma categoria no Japão, mas no ocidente existe uma deformação dessa maneira de ser vista.

O Ocidente vê o que interessa do oriente, por isso, o que vemos e lemos em sites de noticias do Brasil, é apenas uma fatia do que realmente acontece no Japão. Só perceber as noticias que se destacam no Brasil, as animações, os estilos musicais, entre tantos outros estão bem longe de ser os mesmos do Japão.

É verdade que tokusatsu não tenha se destacado, mas continua sendo feito, tanto com produções pra criança e pra adulto.

No entanto, tokusatsu depois dos anos 90, com publicações como as quais você e o del greco escreveram, o tokusatsu do mesmo jeito q apareceu sumiu. Hoje, sao esporadicas materias sobre o assunto, como tb nao existem series na televisão, sendo uma pena para quem é fã de series desse tipo.

abraços.

Comentário por Juba

É isso aí Nagado mais uma vez vc acerta nos comentários e posicionamentos.
Infelizmente tenho postado poucos comentários mas a falta de tempo aqui em Conquista tem sido bastante grande. Logo estarei explicando o porque.
Esta questão do tokusatsu não ser tratado com o devido respeito num conjunto geral da Cultura Japonesa até hoje não entendo. Ele também faz parte de um pilar da cultura niponica mas é tanto sacrificada.
Eu curto de tudo um pouquinho do Japão moderno e antigo e tento não discriminar A ou B e gostaria que outros fizesse o mesmo.
Existe sim séries fracas, boas e muito boas se forem classificadas, como episódios alternativos também. Exemplo de episódios: Primeiro episódio do Black é fantástico, outro do Ultraseven que DAN é enviado com um colega(num foguete) até um Planeta de homens máquinas que controlavam umaq sociedade, as maravilhosas lutas(coreografia) de Gaban, episódio do Ultraman Jack(Go) que é salvo por Ultraman(Hayata) e Ultraseven(duplo episódio) e muitos outros.
Por fim Nagado gostaria mesmo que as séries nascessem dos reais roteiristas e após vinculação as empresas de brinquedos num geral trabalhassem seus apetrechos para lucrar. Valorizando muito mais o roteiro da série do que as naves, espadas, raios e muito mais.
É isso aí Nagado. Até breve.

Comentário por Robinson Oliveira

É, não tem como não concordar com seu texto, Alexandre.

Eu até não diria que a Bandai avacalha tanto, pois de vez em quando ela “manda” a Toei fazer algumas coisas interessantes, como foi com Decade. Até que foi criativo.

O que não muda a velha questão do capitalismo dominando tudo.

Mas se fosse pra voltar a tempos melhores, a tempos em que a criatividade domina, daí talvez houvesse uma regressão em termos financeiros, o que também afetaria tais projetos.

Para o Tokusatsu, será que isso seria realmente bom?

Comentário por Guyferd

Até continuando em cima de seu raciocínio, não sei se a “cara” do Tokusatsu tem como mudar atualmente.

A não ser por algo que demonstre um pouco de criatividade (ou inteligência, como achei no caso de Mahou Sentai Magiranger, pegando todos aqueles clichês de Harry Potter de forma brilhante), assim como o logotipo de uma empresa muda e fica mais “moderno”, foi desta forma que o Tokusatsu evoluiu. Bem ou mal é isso o que sustenta o gênero.

Lá no Japão é para crianças. Aqui é material para saudosistas e poucos novos fãs, enquanto boa parte da população ainda lembra disso com um pouco de desprezo, ignorância e discriminação.

A única solução é curtir até onde der. Até o ponto em que (talvez) nós mesmos cheguemos à conclusão de que devemos prestar atenção em outra coisa para suprir nossa necessidade de entretenimento descompromissado.

Ainda não acho que chegarei nesse ponto assim como não acredito para pessoas como Alexandre Nagado, Lagarto ou Robinson Santana de Oliveira, mas o amanhã nunca se sabe.

Só sei que pelo menos escapei da geração Teletubbies. Já é algo bom :P

Comentário por Guyferd

Lendo aqui a postagem de Robinson (ê velho amigo, saudades do tempo em que conversávamos. outros tempos, outros projetos. A Tokufriends nem pensava em existir e nós lá trabalhando de certa forma pelo Tokusatsu na minha primeira tentativa editorial amadora ^^ ), infelizmente não peguei a época real do Ultraman, porém a época que peguei foi mais do que suficiente, com Jiraiya, Jaspion, Spielvan e Cybercop.

Devo dizer que apesar do meu comentário meio pessimista, estou com vocês. Gostaria de viver aquele tempo de novo, aquelas séries, aquela idade… :D

Comentário por Guyferd

Um dos problemas dos licenciantes de programas infantis é que há cada vez menos crianças no Japão. A alternativa encontrada foi faturar ao máximo do público que restou. Vou dar um exemplo bem raso, com números fictícios. É como se, ao invés de vender um boneco do herói para 1 milhão de crianças, os fabricantes tenham que vender 10 bonecos variantes do mesmo herói pra 100 mil crianças. Por isso tantas formas para os heróis modernos.

Sobre o Decade, não sei se foi mais criatividade ou vontade capitalizar mais de personagens já utilizados que ainda podem render novos produtos. A Tsuburaya tem feito muito isso, mas ao menos tem usado atores originais, valorizando mais personagens que têm uma longa história.

Abraços!

Comentário por Alexandre Nagado

Antigamente eu me importava se a produção era infantil ou adulta, hoje tanto faz. Sendo uma produção que tenha uma história legal e que passe emoção tá valendo.
Já vi muitas produções ditas para o publico “adulto” que são a maior besteira.
Referente as séries tokusatsu atuais estão muito chatas. Os atores são engomadinhos demais, muita piadinha estilo anime feliz, além de acessórios em excesso e espalhafatosos demais. Hoje querem vender mais brinquedo ainda do que antigamente, a Bandai está cada vez mais ambiciosa.
Hoje nem sei mais o que é pior, os originais japoneses ou os Power Rangers.
Mas de boa, tá cheio de tokusatsu antigo que ainda nem assisti, e são desses que estou indo atrás.

Comentário por Flávio Soares

Isto é verdade Nagado.
Como é bom rever os heróis de infância encarando os mesmos monstros e outros novos nos dias atuais. Para aqueles que curtem é o máximo. Nisto a Tsuburaya tem trabalhado bem sem falar que para reunir os personagens não deve ser fácil, muita diplomacia acontece nos bastidores. Abraço Nagado e Lagarto.

Comentário por Robinson Oliveira

Uma empresa de brinquedos interferir no roteiro sempre existiu, está Gundam ai pra provar. A questão é a capacidade de um roteirista de manobrar isso.

Quando criador do Gundam veio ao Brasil, ele disse q não seria uma criança o piloto de gundam, mas por exigencia da Bandai, o roteiro teve que ser alterado pra série em anime fosse produzida.

Decade é uma excelente série, porque teve bons roteiristas.

Influencia da empresa sempre existiu, mas hoje graças a internet fica mais obvio como ela foi feita. Logico que em alguns casos foi um exagero como Gaoranger, mas independente disso, é o roteirista que pode salvar uma série ou prejudicar uma série.

Decade está seguindo o mesmo caminho que Den-O seguiu, a Toei viu uma mina de ouro em Den-O e por causa disso Decade segue esse mesmo conceito.

Sobre atores originais? Presumo que não pesquisaram o que eles se tornaram, correto? Todos viraram atores famosos em produções, como doramas (novelas), filmes entre outras formas de midia. O ator do kuuga está na campanha da cervejaria Kirin, o ator do Kabuto faz dorama atrás de dorama, até o ator do Den-o estreou nos doramas, portanto sai caro e é complicar recrutar todos os atores pra gravar participações no Decade. Tokusatsu é trampolim de sucesso pra outras midias.Mais uma vez é a Toei e a equipe de roteiristas que tem q se virar pra contornar esse problema, só ver que Den-O X Decade recrutaram o ator mirim pra fazer o protagonista.

No caso dos Ultraman é mais facil quando apenas um deles é mais famoso que é o caso do ator e cantor do grupo V6.

Antes de criticar a Bandai e a Toei analisem como um todo a cultura pop japonesa, como agência de atores, o que aconteceu com os atores pós as series de tokusatsu que foram protagonistas.

Hoje o ator do kamen rider black fala em que está pronto pra voltar a ser Black numa entrevista. Mas todos se esquecem que o mesmo já fez filmes duvidosos como Gigolo logo apos o Black RX.

E espero profundamente que Decade continue nesse nivel e particularmente gostei de saber que a série vai ter 30 episodios. Porque acredito que pode ter um maior controle do roteiro nesse caso, como virei fã de doramas que tem 11 episodios com duração de 45 minutos cada, gostei de como Decade está sendo testado.

As formas isso veio desde Black rx, se um sentai tem 5 personagens mais outra forma, mais membros extras, kamen rider tem que ter muito mais formas pra vender e ter uma expressão de vendas maior de bonecos. Essa foi a grande sacade de Den-o, ter colocado carisma nos Imagin a tal ponto que eles se tornaram os favoritos da série, alcançando objetivo da Bandai de vender bonecos.

Hoje falo certamente que o Kamen Rider é o genero mais interessante apresentado. Espero que os super sentais, caminhem pra um caminho similar no futuro.

abraços.

Comentário por Juba

Analisar visão de mercado é válido, claro. Nós que pesquisamos isso temos que ter isso em mente ao emitir uma opinião, mas isso não descarta a discussão sobre conteúdo e forma. Obviamente, esses atores que citou são mais difíceis de se contratar do que a maioria dos Ultras, especialmente os clássicos, mas não é o que estamos discutindo aqui, se atores de Kamen Rider são mais bem-sucedidos do que Ultras. Também não estamos “demonizando” os capitalistas da Toei e Bandai, agindo como quem não sabe como o mundo funciona. Juba, calma que não estou emitindo opiniões sobre assuntos que não tenho noção, ok? Mas obrigado por vir aqui contribuir com esse debate, que sem dúvida é um dos mais interessantes que apareceu por aqui porque exige um bom nível de conhecimento.

Tem razão ao apontar que depende dos roteiristas se adaptarem e criarem enredos interessantes dentro das circunstâncias que lhes são impostas. Mas uma hora, acaba contando o tempo “útil” do episódio, que diminui cada vez mais com os roteiristas tendo que mostrar tantos produtos. Mas isso acontece desde os anos 80, com as cansativas transformações de robôs de Super Sentai.

E o Decade eu ainda preciso assistir, mas no geral não gostei dos poucos “Heisei Riders” que vi. Uns acham arrojado e inovador. Eu acabei achando os poucos que vi meio pretensiosos. Aí é questão de gosto.

Abraços!!

Comentário por Alexandre Nagado

Oi,

Nem sou louco de falar que você nao pesquisa, esses dias mesmo tava com seu livro na minha mala. Relendo algumas materias.

Estava falando sobre os comentarios do debate, já que o mundo trabalha de uma forma e o japão trabalha de outra.

Contrato com essas agências de atores no Japão é feita diferente e foi um dos fatores que dificultou a adaptação do game da Capcom Onimuasha. O Ator que serviu de modelo pro jogo, Takeshi Kaneshiro, havia sido solicitado por 3 meses pra filmagem do filme. Com a greve de roteiristas, o filme foi adiado e a agenda do Takeshi nao bateu com as das filmagens, por fim cancelando o projeto do flme americano.

Agora imagina o Mizushima Hiro, ator do kamen rider kabuto, que estrelou diversos doramas, como Hanakimi, Zettai Kareshi (baseado em manga publicado no brasil pela Conrad) e acabou essa semana o dorama que tava sendo bem comentado pelos fãs, Mei-chan no Shitsuji. Agora, imagina ele teria tempo livre pra participar Decade?

Sobre a Toei e a Bandai, no caso do Decade eles decidiram utilizar tudo que tava disponivel. E acho uma grande sacada colocar Gackt como cantor de música tema. Fica cada vez mais evidente que eles estão focando num publico mais velho em Kamen Rider, escolhendo icones desse publico infanto juvenil, como AAA em Den-O e Gackt em Decade. Mesmo na estetica, na escolha de elenco e no roteiro, percebe essa evolução pra esse segmento. Compare Kuuga com Decade e perceberá o quanto o público está se ajustando e quanto a Toei tomou medidas para tornar sua franquia com uma maior identidade para os jovens.

Alexandre, você que gosta dos antigos Kamen Riders da Era Showa, deveria assistir Kamen Rider G, a brincadeira de muito bom gosto realizada pelo grupo SMAP. Esta produção tem muitas referencias aos kamen riders de antigamente sendo bastante interessante e nostalgico essa sacada por parte do SMAP.

Toda discussão é valida, mas parece que infelizmente no caso de tokusatsu, as pessoas ainda conversam no “passado”, sendo que esse segmento da industria continua em pleno vapor.

E espero contribuir nesse debate e não fazer polêmica do mesmo. É interessante frisar que enquanto fãs de doramas, estudam atores, series que eles aparecem, qual agência eles pertencem, a forma de se estudar tokusatsu, com exceção de alguns especialistas, deixa a desejar, assim não sendo facil encontrar informações detalhadas dos respectivos atores na internet.

abraços e que a discussão continue.

Comentário por Juba

Como eu e o Juba conversamos no Twitter, uma parte de mim é um velho chato que acha que antigamente era melhor. Mas será que não era mesmo? :-P (Brincadeira, ah ah!)

Cada época tem mesmo suas peculiaridades e é chato ficar comparando. E o Tom Hanks uma vez disse como era chato e injusto gente mais velha dizendo que na época deles era melhor. E é chato mesmo, imagine quem não viveu a época pensando assim.

Mas não dá pra relativizar algumas coisas. O que era bem escrito, bem dirigido e intelectualmente bem concebido há 30 anos continua sendo hoje. E o que é realmente bom hoje será lembrado nos próximos anos.

Esse Kamen Rider G eu vou procurar, pois gosto de boas paródias.

Abraços!

Comentário por nagado

Eu assisti o G quando saiu legendado agora, e o que achei que seria uma porcaria (não sou muito adepto de paródias, salvo raras exceções, como o Jaspion Brasileiro de Santa Catarina, o Diogo) me surpreendeu.

Quando terminou juro que desejei que pudesse ter continuação :)

Seguindo nas opiniões, eu estranhei a mim mesmo. O primeiro Rider atual que vi foi Kabuto.
Baixei e abri o arquivo achando que seria uma porcaria – afinal nada superava Kamen Rider Black – mas me surpreendi assim que vi a ação dos Zectroopers e o arrogante Tendou Souji com aquele tofu pra lá e pra cá.

Dali em diante fiquei mais focado nos heróis atuais do que nos antigos.

Claro que sempre tenho lugares especiais no coração para jaspion, Flashman, Changeman, Jiban, Lion Man e inúmeros outros, mas que minha mudança foi estranha, foi.

Muitas pessoas (falo especificamente pelo Orkut, minha base de operações principal) não seguiram essa tendência e rejeitam séries novas cada vez mais.

Comentando sobre o post de Juba, achei perfeita a explanação dele sobre os rumos que a Toei e Bandai estão dando aos Riders, numa busca frenética pelos jovens. Não teria nada a acrescentar em cima o/

E mudando de assunto.. Nagado, vc deveria postar um comentário sobre Kamen Rider Dragon Knight.
Eu conheço suas opiniões sobre outras “sabanizações”, mas acho que sairia uma discussão saudável aqui sobre esta nova adaptação americana :D

Comentário por Guyferd

Se hoje eu gosto um pouco de JPop, foi por causa do Jaspion. Ele foi o responsável por me fazer interessar por Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball e depois outros mangás e animes, filmes, até extrapolar o Japão, o entretenimento asiático em geral. Culturas tão antagônicas como Coreia e Japão assim como a relação nipônica com a China e seus vizinhos, que amargam ainda lebranças do passado são unidas hoje pela cultura pop (cinema, música) deixando preconceitos de lado.

Comentário por Takeshi

não vai postar mais coisa no blog naum.. hehe
é tipo assim, tenho praticamente tudo de toku music, até ao vivo, bgm enfim…. anime é bom mas alem de ser “impossivel” ter todas as musicas, não empolga na mesma maneira, vide daileon, batalhas de jiraya, etc.. abraços aos tokufans

Comentário por kotarosan

Bom, eu curtia ultraman do tempo do capitão asa tv tupi, depois a tv powww do sbt e olha era raro achar brinquedos destes tokus na minha época!

Comentário por Zekalango

minha mae sempre que pode me xinga por que vejo kamen rider puxa há tantos kamen riders feitos para o publico juvenil o faiz,blade,agito,hibiki e kuuga minha mae não entende e fica falando mas eu entendo no tempo dela não tinham tokusatsus assim mas juvenis

Comentário por kamen rider den




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: